Há uma ilha em Cabo Verde que oferece felicidade

Top Atlântico / Publicado a
Neste Dia Internacional da Felicidade vamos até Cabo Verde para conhecer a Ilha da Boavista, onde ser feliz é algo tão natural de acontecer que foi apelidada de “Ilha da Felicidade”. É uma das 10 ilhas do arquipélago de Cabo Verde e a terceira maior do país, mas são os 55 quilómetros de praias intocáveis de areia branca, a água do mar com temperatura média de 22ºC, as paisagens paradisíacas bem preservadas e as gentes sempre bem-dispostas, que a tornam um destino realmente perfeito para ir à procura de calor e alegria. É também conhecida pela desova das tartarugas marinhas, um fenómeno que acontece durante as noites dos meses de verão. Embora relaxar ao sol, fazer mergulho, caminhar pelas dunas, assistir ao pôr-do-sol ou dançar ao som da morna sejam grandes atrativos, mais ainda há para conhecer e fazer.

SAL REI

Sal Rei é a capital da Ilha da Boavista, criada à volta da praça municipal, tem para oferecer magníficas e tranquilas praias, bairros de pescadores, igrejas e lojas onde pode adquirir artesanato nativo. Contudo, grande parte do turismo concentra-se junto dos restaurantes e bares junto ao mar, onde há também um mercado de artesanato e de peixe cuja visita sugerimos. Em termos de gastronomia local, existe uma grande oferta de peixes e mariscos, sempre tudo fresco, mas também a carne proporciona especialidades como a cachupa ou galinha caipira, entre outros sabores tipicamente cabo-verdianos que tem de experimentar. Na baía de Sal Rei, nos meses de dezembro a maio, é possível observar baleias de uma espécie em particular, a Baleia Jubarte, que vêm aqui dar à luz e permanecer nos primeiros meses de vida das suas crias. Por outro lado, se tiver oportunidade de ir ao Ilhéu de Sal Rei, vai deparar-se com as ruínas do Forte Duque de Bragança. Saiba que pode ir de barco ou a nado, já que nesta zona o mar tem a profundidade máxima de 1,50 metros.

POVOAÇÃO VELHA

A Povoação Velha é outra localidade que revela o passado da ilha ou não fosse onde tudo começou, há cerca de 500 anos. Indo mais para a costa, vai descobrir a famosa praia de Santa Mónica. O acesso é algo difícil e costuma ser feito de jipe, mas vale a pena aventurar-se para mergulhar nas águas límpidas que deixam ver cardumes de peixes e outras espécies marinhas logo à primeira vista. Lembra-se de mencionarmos a desova das tartarugas? Santa Mónica é precisamente uma das praias onde pode presenciar este espetáculo da natureza.

CABO DE SANTA MARIA

Na costa norte da ilha, conhecida por Costa da Boa Esperança, encontra-se a Praia Cabo de Santa Maria ou Praia da Atalanta, como chegou a ser conhecida. O seu nome deve-se ao naufrágio de um cargueiro espanhol chamado Santa Maria, um dos muitos que acontecerem nesta parte da ilha por causa das correntes e recifes de corais pouco profundos, deixando destroços ainda hoje visíveis. Além desta atração, contemplar a beleza do Cabo de Santa Maria será um momento inesquecível.

DESERTO DE VIANA

Além das vilas, praias e vida marinha, a Ilha da Boavista tem ainda para oferecer o Deserto de Viana, entre Sal Rei e Rabil. Trata-se de uma área dominada por dunas de areia branca, em algumas zonas com direito a pequenos oásis rodeados por tamareiras, tal e qual um deserto. Uma vista incrível num cenário surreal, para ver e apreciar.

RABIL

Rabil chegou a ser capital da Ilha da Boavista. Além do Deserto de Viana que existe nas proximidades, conhecer esta povoação é regressar às origens da ilha e ao tempo em que a indústria da cerâmica era de enorme importância. Sugerimos uma visita à igreja de São Roque e à Olaria-Escola, onde ainda são feitas peças de artesanato em forma de tartarugas, mosaicos e jarros. Nos restaurantes de Rabil poderá saborear pratos de lagosta cabo-verdiana. Uma delícia! Entre as fantásticas praias pouco frequentadas onde pode descontrair, as vilas onde pode contactar com a cultura e gentes locais, o mar onde pode mergulhar e observar espécies marinhas dignas de dezenas de fotografias, a Ilha da Boavista é sinónimo de emoção. É poder terminar a viagem sentido-se feliz pelos momentos aqui passados, pelas memórias na bagagem e no coração, porque a verdadeira felicidade vive em cada um de nós. Não será este o grande objetivo de viajar?