Lugares que estão a mudar e que tem de visitar

Top Atlântico / Publicado a
Quando temos aquela vontade de sentir a vida através das viagens que fazemos, é natural criar uma lista infindável com os destinos e atrações para visitar um dia. Viagens a dois, com amigos ou em família, românticas ou aventureiras, no mar ou em terra, praias ou metrópoles, o que realmente importa é perceber qual a melhor altura para os visitar. O que nos leva à questão inevitável sobre as consequências do aquecimento global. São muitos os lugares e pontos turísticos que estão a mudar com o aumento do nível do mar e da temperatura média, em especial as ilhas, e que vão mesmo desaparecer do nosso planeta nos próximos anos. A boa notícia é que ainda os possa conhecer. Ora então agarre num mapa e assinale os seus preferidos.

Grand Canyon, EUA

Património Mundial da UNESCO, o Grand Canyon é um destino muito popular entre os mais aventureiros. O desfiladeiro, situado na zona norte do estado do Arizona, é composto pelo Parque Nacional do Grand Canyon e duas reservas indígenas, a de Havasupai e a de Hualapai. Entra nesta lista pelo desgaste do pico, um dos lugares históricos mais ameaçados dos EUA.

Ilhas Seychelles, África

Ilhas Seychelles, esse paraíso composto por 115 ilhas onde a temperatura média ronda os 28ºC, tornou-se um arquipélago ameaçado pela erosão das praias. Embora metade do seu território esteja protegido por leis ambientais, o aumento do nível médio do oceano está a submergir as ilhas de pequena dimensão.

Maldivas, Ásia

Com inúmeros resorts de luxo e praias paradisíacas, também o arquipélago das Maldivas está sujeito a ver ilhas submersas devido ao aumento do nível do mar, que infelizmente já começou a surtir efeito. Prevê-se que tal possa vir a acontecer por completo até 2100, pelo que ainda poderá conhecer as praias de areia branca e água azul-turquesa que têm encantado turistas do mundo inteiro.

Grande Muralha da China

Uma das atrações mais imponentes da China e que é imperdível, é também um dos monumentos que está a ficar seriamente danificado com o excesso de cultivo em redor, o desgaste natural provocado pelas intempéries e ainda com a venda de tijolos com gravuras históricas. Construída por ordem do imperador Qin Shi Huang entre 221 e 210 a.C. para defesa da cidade, a Grande Muralha da China foi depois ampliada pelas dinastias posteriores até chegar aos atuais 21.196 quilómetros de extensão. Para visitá-la, pode fazê-lo a partir de Badaling, a secção mais próxima de Pequim, ou ainda de Simatai, Mutianyu e Huanghua, entre outros. Ponha-se já a caminho, que há muito para caminhar.

Taj Mahal, Índia

O magnífico Taj Mahal, na Índia, é outro monumento que está a sofrer bastante com a erosão do tempo e a poluição, neste caso do rio Yamuna que passa pela base do Taj Mahal e danifica as vigas de sustentação. Está mesmo em causa um pedido da UNESCO para o mausoléu ficar fechado e assim interdito a visitas, por forma a evitar que se transforme em ruínas. Esta visita tem mesmo de ser para breve.

Veneza, Itália

Finalizamos com a romântica Veneza, na região nordeste de Itália. Famosa mundialmente pelos canais e os passeios de gôndola, os museus e os monumentos, o carnaval e as ilhas em redor, tem sofrido cada vez mais com as inundações provocadas pela subida do mar. Uma das medidas que poderá vir a ser aplicada será a restrição aos turistas, pelo que recomendamos que trate rapidamente da sua viagem. Vale a pena conhecer este lugar tão mágico.

Pronto para marcar a sua próxima viagem?