Volta ao Mundo por Pedro Guerra – Dias 7 a 11 Let├│nia ­čç▒­čç╗ e Litu├ónia ­čç▒­čç╣ – Parte II

Pedro Guerra / Publicado a
Parte II #cachodeuvas ­čŹç Tallinn! Acordo cedo com a luz do sol a irromper pela janela do quarto. ├ë o que d├í gostar de dormir de cortinas abertas. Escancaro a janela. Olhos semicerrados ainda ofuscados pela claridade. Esfor├žo-me por olhar ao redor. Esbo├žo um sorriso. Estou dentro do centro hist├│rico de Tallinn. Vanalinn de seu nome. Para muitos a mais bonita e bem preservada cidade medieval da Europa. Despacho-me num ├ípice e num ├ípice estou a percorrer ruas e ruelas, cantos, becos… tudo em cativante harmonia. Sim, harmonioso ├ę o adjetivo certo. Vou palmilhando a cidade medieval, deliciado com aquelas sequ├¬ncias de casas e casinhas, vindas diretamente do s├ęculo XIV. N├úo ├ę preciso mapa. Quanto mais me perco mais cativado estou. Vou subindo por entre ruas estreitas. Chego ├á parte mais alta da cidade antiga, Toompea. Dou de de caras com a Catedral de Alexandre Nevsky, uma igreja ortodoxa russa. Continuo a subir e chego ao Patkuli, uma esp├ęcie de miradouro. Avisto toda a town wall e respectivas torres, a St. Olav’s Church e o porto. Termino o dia da melhor forma. 24 horas depois. Meto mais umas uvas na boca. Bagos de mem├│rias. Apanho um t├íxi rumo ao aeroporto. Desenganem-se, n├úo vou voar. Alugo um carro. Aproveito o Wi-Fi e fa├žo o download da rota que me espera. N├úo pago extra de GPS. Mala na bagageira. Rodas na estrada. Insiro o destino: R─źga, Let├│nia. R─źga! Capital e maior cidade da Let├│nia, tamb├ęm a mais populosa das capitais b├ílticas. Situada no cora├ž├úo do Golfo de R─źga, na foz do rio Daugava. Banhada pelo B├íltico. A influ├¬ncia Russa ├ę vincada. “H├í aqui toques de Moscovo”, murmuro, enquanto caminho pelas avenidas centrais. Deixo-me levar, sem pressas. Sem expectativas. Vejo igrejas, museus, monumentos. O centro hist├│rico, reconhecido patrim├│nio da humanidade pela Unesco, ├á semelhan├ža das cong├ęneres b├ílticas, ├ę a menina dos olhos da cidade.

Riga. Let├│nia.

24horas depois. Termino o dia junto ao canal. ÔÇťAs cidades com ├ígua t├¬m outro encanto”, digo em voz baixa. Sou presenteado com um estrondoso p├┤r-do-sol! Meia d├║zia de fotos para imortalizar o momento. Time to say goodbye. Sento-me no carro. Apoio o queixo no volante. Ali permane├žo por instantes em pura letargia. Carrego no start. Ligo o r├ídio. Defino a rota. Tudo feito lentamente, como se estivesse em modo de poupan├ža de energia, tipo bateria de iPhone. Mais umas uvas na cesta. Mais um cacho de mem├│rias. J├í vou a rolar na estrada para a ├║ltima e mais longa liga├ž├úo terrestre desta etapa europeia. 4h30 de R─źga a Vilnius. Desta vez vou ainda mais ├ás escuras. Nada sei sobre Vilnius, a capital da Litu├ónia. Vilnius! Como come├žar?! …├ás vezes ├ę t├úo bom n├úo ter expectativas. Quem nada espera tem a surpresa ao virar da esquina. …e n├úo ├ę que foi mesmo verdade?!

Vilnius. Lituânia.

Saio de manh├ú cedo. A brisa ainda ├ę fresca, mas o dia promete aquecer. Mudo o carro de parque, para um que ├ę gr├ítis ao domingo. Localizo-me mapa. Sigo a p├ę. Vou percorrendo o cento hist├│rico. Igrejas e momentos a cada esquina. Sol radioso a criar as mais incr├şveis nuances, dando vida a cada recorte arquitet├│nico. Pessoas. Muitas pessoas e uma energia incr├şvel nas ruas. Os carros n├úo circulam no centro. H├í m├║sica. Dan├žas. Pe├žas de teatro ao ar livre. Instrumentos v├írios, em pra├žas diferentes, que se misturam como que por magia numa melodia cativante. Uma az├ífama contagiante. Avan├žo junto ao canal. O dia aqueceu! Vou parando aqui e acol├í. Petiscando. Arrefecendo. H├í verde, muito verde a envolver a cidade. H├í uma colina ao fundo, com uma igreja no topo. H├í pontes pedestres que nos ligam ├á outra margem. Que bonita cidade. Acolhedora. Encantadora.

Vilnius. Lituânia.

Procuro o melhor lugar para ver o p├┤r-do-sol. Percorro ruas. Contorno esquinas. “Espera…aquilo ├ę…?!” “Um bal├úo?!” “De ar quente?!” “Mais um!!” “Outro!!” Dei por mim a correr como uma crian├ža na esperan├ža de chegar perto antes de levantarem. De repente vi-me em Cappadocia, na Turquia, num arco-├şris de bal├Áes de ar quente a colorirem um p├┤r-do-sol memor├ível! A surpresa ao virar da esquina, literalmente!

Vilnius. Lituânia.

Ps: vou deixar o carro no aeroporto de Vilnius, j├í que n├úo me deixaram entrar com ele na Bielorussia e vou voar para outro destino. Quando vos voltar a escrever terei visitado mais dois pa├şses. Duas cidades emblem├íticas da Europa. A primeira foi a cidade mais bombardeada durante a segunda guerra mundial. A segunda tem um nome que nasceu da fus├úo dos nomes de duas cidades, a da margem esquerda e a da margem direita do rio. Este desafio j├í exige outro andamento! Agora ├ę com voc├¬s! ­čśů­čśť #voltaaomundo3 #Dinamarca #Isl├óndia #Finl├óndia #Est├│nia #Let├│nia#Litu├ónia