Férias na Praia / Viagens Baratas

Costa Vicentina: uma semana de sonho

Share this post

Faça chuva ou faça sol, o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina vale sempre a pena. No entanto, temos que ser sinceros e partilhar que é sempre preferível quando faz sol. A razão? Porque lá estão agrupados alguns pequenos paraísos do nosso país, desde praias extraordinárias, gastronomia de fazer crescer água na boca e paisagens de cortar a respiração.

Seja a pé, a correr, de bicicleta ou de carro, esta é, sem qualquer dúvida, uma região que deve visitar. Veja o roteiro que criámos para si e desfrute ao máximo!

Dia 1 – Porto Covo

Comece a sua aventura com um mergulho logo na primeira praia que vai encontrar, em São Torpes. A seguir aventure-se na primeira etapa do Trilho dos Pescadores, um percurso pedestre de que começa em São Torpes e termina em Lagos. Neste caso, a primeira etapa é de São Torpes até Porto Covo (cerca de 10km) e permite-lhe um acesso privilegiado a todas as praias do caminho, incluindo a belíssima Praia da Samouqueira. Vá parando em casa uma delas e desfrutando do caminho.

Onde ficar: Orbitur Sitava Milfontes

Dia 2 – Vila Nova de Milfontes

Em Vila Nova de Milfontes, deixe-se perder pelo bonito centro histórico. Ladeada pelo rio Mira, a Princesa do Alentejo, como é carinhosamente apelidada, é também conhecida pelas suas maravilhosas praias, nomeadamente a Praia das Furnas e a Praia do Malhão. São paragem obrigatória!

Onde ficar: Duna Parque Beach Club

Dia 3 – Almograve

Almograve é um pequeno tesouro. Situada entre Vila Nova de Milfontes e Zambujeira do Mar, esta vila guarda algumas das praias mais cénicas do litoral alentejano, com um areal extenso e com paisagens que transmitem calma o ano inteiro. Se é dos que gosta de caminhar, não pode deixar de fazer o Trilho das Dunas de Almograve sempre na companhia do oceano Atlântico. Vai ficar deliciado com as paisagens que vai encontrar.

Se ainda tiver tempo, dê um saltinho ao Cabo Sardão. E, à noite, não perca o teatro de rua que por lá costuma acontecer nos meses de Verão. Simplesmente fantástico!

Onde ficar: Monte do Zambujeiro

Dia 4 – Zambujeira do Mar

Muito conhecida por ser a casa do MEO Sudoeste, a Zambujeira do Mar é uma vila tipicamente piscatóriae bastante pitoresca. Aqui pode desfrutar de um dia calmo e aproveitar para ir dar uns mergulhos à famosa Praia da Zambujeira do Mar, que está praticamente embutida dentro da vila. E, para acabar o dia em beleza, fique a ver o pôr-do-sol. É magnífico!

Onde ficar: Zmar Eco Experience

Dia 5 – Odeceixe

Odeceixe é a vila que oficialmente delimita a fronteira entre o Alentejo e o Algarve. Aqui não pode deixar de passear pelo centro e conhecer os seus encantos, bem como subir ao alto do moinho. A vista sob a Ribeira do Seixe é de cortar a respiração. A Praia de Odeceixe, uma das 7 maravilhas – praias de Portugal, está situada apenas a 3km da vila e merece uma visita demorada.

Onde ficar: Enigma – Nature & Water Hotel

Dia 6 – Aljezur

Já com um pé mais no Algarve do que no Alentejo, Aljezur é uma vila muito graciosa e com história. Percorra as suas ruas tipicamente estreitas e suba até ao castelo. A vista panorâmica é magnífica. Garantimos que vale a pena!

Praias obrigatórias? Todas, mas não pode mesmo mesmo mesmo falhar as seguintes: Praia do Monte Clérigo, Praia da Arrifana e Praia da Carriagem.

Onde ficar: Vicentina Hotel

DIA 7 – Carrapateira

A sua viagem está quase a chegar ao fim, mas, como se costuma dizer, o melhor fica para último. E a Carrapateira é daqueles pequenos grandes prazeres que a Costa Vicentina nos oferece. Num espaço tão pequeno juntam-se duas das praias mais bonitas de toda a costa: Praia da Bordeira e Praia do Amado (a não perder especialmente para quem é fã de surf). Não deixe ainda de dar um saltinho à pequena vila e de desfrutar do ambiente multicultural que por lá se vive. É incrível!

Onde ficar: Aldeia da Pedralva

Chegámos ao fim desta semana, mas sabe uma coisa? A Costa Vicentina é um daqueles destinos para visitar vezes sem conta – e em qualquer altura do ano – porque há sempre um cantinho novo por descobrir. Por isso, já sabe, continue a rumar a sul por um dos lados mais autênticos e belos do nosso país!

Artigos relacionados