5 destinos para celebrar o Dia Europeu Sem Carros

Top Atlântico / Publicado a
Nesta Semana Europeia da Mobilidade, na qual se celebra o Dia Europeu Sem Carros a 22 de setembro, vimos apoiar uma causa cujo objetivo é sensibilizar a população para a necessidade de reduzir o tráfego rodoviário dentro das cidades. Apenas assim conseguiremos garantir a sustentabilidade dos recursos naturais e aumentar a qualidade de vida nos destinos que sonhamos conhecer. Entre os lugares que estão a abdicar da circulação dos carros e aqueles que criaram condições para a circulação de bicicletas como transporte alternativo, conheça 5 cidades onde celebrar o Dia Europeu Sem Carros.

1.Amesterdão | Holanda

Na 2ª posição do Copenhagenize Index, uma plataforma que todos os anos elege as cidades mais “amigas” das bicicletas em todo o mundo, encontra-se Amesterdão, na Holanda. Um dos países com menos automóveis a nível mundial e que até 2030 pretende ter apenas carros livres de emissões. Amesterdão é igualmente uma das cidades europeias onde a bicicleta é o meio de transporte mais usado pelos habitantes e por isso prepare-se para pedalar bastante quando quiser ir visitar os museus, andar pelos canais, conhecer as ruas e os restaurantes mais típicos. A cerca de 90 minutos de Amesterdão e talvez menos famosa, está Giethoorn. Apelidada de “Veneza da Holanda”, é uma pitoresca cidade com cerca de 2.500 habitantes, onde não existem carros ou sequer estradas, tornando-se apenas acessível de barco ou canoa. Fica a sugestão para uma experiência única.

2.Copenhaga | Dinamarca

Está no topo da lista do Copenhagenize Index e a razão é muito simples. Desde os anos 60 que Copenhaga começou a criar áreas exclusivamente pedestres no centro da cidade e atualmente conta com mais de 400 km de ciclovias. A maior cidade dinamarquesa oferece assim todas as condições para andar de bicicleta um pouco por todo o lado e conhecer atrações para todos os gostos. Nyhavn Harbor, por exemplo, é um canal muito popular e rodeado por ruas estreitas, zona de restaurantes e edifícios com fachadas coloridas, mas há mais. Palácios, praças, jardins, igrejas, castelo e ruas pedestres como a Stroget Shopping Mile, onde poderá andar à vontade sem carros por perto. Copenhagen wants to meet you.

3.Hamburgo | Alemanha

Hamburgo ocupa a 19ª posição no Copenhagenize Index e tem-se revelado uma cidade muito empenhada em tornar-se mais verde e agradável para os seus habitantes e visitantes. Para isso, criou a “Grünes Netz” ou Rede Verde, para a criação de vias pedestres e ciclovias que ficam ligadas entre si. Um plano que tenciona abranger 40% da segunda maior cidade da Alemanha nos próximos 15 a 20 anos, além da proibição da circulação de carros até 2034. Agora que já sabe como circular na cidade, anote alguns locais imprescindíveis: Visite Speicherstadt ou “Cidade dos Armazéns”, um complexo de edifícios separados por canais e complemento do Porto de Hamburgo; percorra o mercado Rathausmarkt na praça com o mesmo nome e delicie-se com as comidas típicas; divirta-se na Miniatur Wunderland a ver comboios que percorrem cidades de vários países, tudo em miniatura; descontraia no Planten un Blomen, um parque de 47 hectares com jardim botânico, entre tantas outras atrações que aguardam por si.

4.Paris | França

No Copenhagenize Index, a “cidade da luz” ocupa a 17ª posição. Perfeita para o Réveillon e desejada pelos apaixonados que celebram o casamento na sua lua-de-mel, Paris é considerada uma das melhores cidades para descobrir de bicicleta pelo grande número de ciclovias que ligam o centro aos arredores. No itinerário, onde vão sempre existir rotundas e cruzamentos pelo caminho, inclua as clássicas atrações como a Torre Eiffel, o Museu do Louvre e D’Orsay, a Catedral de Notre-Dame, Champs-Elysées – considerada a avenida mais bonita do mundo ou até o Jardim de Luxemburgo com os seus 25 hectares de jardins franceses e ingleses.

5.Veneza | Itália

Veneza não precisa sequer constar no Copenhagenize Index para entrar no nosso Top 5. Embora seja um dos lugares no mundo que estão a mudar devido às consequências do aquecimento global, esta cidade continua a ser mundialmente conhecida pelos canais e os passeios de gôndola, os museus e os monumentos, o carnaval e, claro, o facto de não ter quaisquer carros no centro histórico. Neste cenário onde os sons se tornam mais preeminentes na ausência de ruído motorizado, a vida ganha outra dinâmica. As praças só têm esplanadas, pessoas e animação, todos circulam livremente e as crianças brincam em segurança, e tudo ganha mais sentido na romântica cidade de Venezia.