Viajar ou casar, o que torna alguém mais feliz?

Top Atlântico / Atualizado a
Cada vez mais, somos estimulados a compreender tudo o que nos rodeia para acompanhar o mundo atual, e para isso muito têm contribuído os estudos. Alguns surgem numa vertente mais comercial, outros são dedicados a entender o que motiva as pessoas. No que diz respeito a motivações, viajar é sem dúvida uma das atividades mais bem posicionadas e há estudos que o fundamentam. Ora vejamos, segundo os resultados de um inquérito feito pela farmacêutica HRA Pharma, ficámos a saber que 61% das mulheres portuguesas preferem investir na carreira profissional e em viagens, antes de virem a ser mães. Uma grande percentagem que é facilmente justificada pelos preços competitivos que são praticados pelas companhias aéreas e agências de viagens. Neste contexto, foi realizado um outro estudo realizado com o apoio de 18 mil habitantes de vários países europeus e que revela dados igualmente interessantes. Assim, embora casar e ter filhos seja um dos objetivos de vida mais comuns, 55% dos inquiridos prefere viajar a casar-se, enquanto apenas 18% prefere ter um filho. Juntando este desejo de viajar para conhecer o mundo às experiências e momentos vividos em cada destino, subentende-se que viajar consegue realmente criar um maior sentimento de felicidade. A vida espera por si.